5

Esperando pelo final de semana...

Estava olhando a timeline do face hoje e caiu minha ficha em relação a uma coisa: Todo mundo quer que a sexta chegue e na segunda os compartilhamentos do tipo “segunda de novo?” são muito prováveis de serem encontrados. Falo por mim também, a gente vive como se o fim de semana fosse ser perfeito e como se durante a semana a gente trabalhasse como um camelo o.O 



Daí encontrei a seguinte frase no twitter:


Acabei por ter de admitir que a Luisa está certa. Pra que ficar esperando pelo final de semana? Sem contar que é normalmente nele que a gente faz aquela faxina em casa, faz um trilhão de trabalhos da faculdade, etc, etc. Na maioria das vezes nem são dias de descanso, então, por quê?
Até mesmo as crianças pensam dessa forma e isso é culpa nossa! Trabalho com crianças e as ouço falando coisas tipo: “hoje é a sexta feira feliz”, “tomara que a sexta feira chegue logo”, etc. Na hora da saída vejo os pais passando com as crianças em frente a tia dos docinhos e, ao pedirem um chocolate, escutam a resposta: “Hoje é sexta feira?”. Na escola, o “dia do brinquedo” que é o dia feliz da criança, onde ela pode levar seus brinquedos para a escola e quase não têm atividade nenhuma, é justamente na SEXTA. Ouço crianças repetindo frases feitas dos adultos sem ao menos saber o verdadeiro significado delas e, vamos ser sinceros, nós sabemos o significado delas?
Vamos mudar esse pensamento juntos! A vida é tão divertida, ela é o que tem que ser... durante a semana inteira. Vamos aproveitar os sete dia que temos na semana, todos os dias que temos no mês. Hoje pode ser o dia que você vai mudar de vida, hoje pode ser um dia feliz, basta você querer.
2

Encerrando Ciclos

Quase um mês sumida, mas por motivos que explicarei agora.
Como sabem e leram no meu ultimo post, fui visitar/conhecer pessoalmente meu pai biológico (leiam aqui). Foi uma experiência maravilhosa e única, mas logo depois de voltar pra casa recebi a triste notícia de que ele não havia resistido a um exame comum: uma endoscopia.
Eu não estava pronta para falar sobre isso e não tinha ânimo para escrever mais. Minhas aulas voltaram, voltei ao trabalho, mas nada era a mesma coisa e nem poderia ser. Se me conhecer era sua ultima “missão” na Terra, ele conseguiu cumprir – e eu fiquei realmente feliz de ter tido essa oportunidade antes do tempo dele chegar, mesmo sentindo uma dor inexplicável.
Em minha aula de ontem (terça feira) o professor passou um slide com uma mensagem de Fernando Pessoa que quero, agora, dedicar a uma pessoa muito importante em minha vida, a Andrea, que sei que está sentindo uma dor bem maior que a minha.

“Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final. Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos - não importa o nome que damos o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram. [...] Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu. Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó. Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seu marido ou sua esposa, seus amigos, seus filhos, sua irmã, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado. Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco. O que passou não voltará [...]. As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora. Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem. Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração, e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar. Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se. Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos. [...] Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa - nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade. Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante. Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida. Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é.”.

Ao passar essa mensagem em sala meu professor me fez acordar e pensar: ei, eu ainda estou viva. Irão haver lembranças? Claro que sim! Lembranças maravilhosas de uma pessoa que me ligava para saber como havia sido meu dia, que se preocupava comigo, que se esforçava para me fazer vê-lo como uma figura paterna – ainda que da sua maneira. Irão haver tristezas? Claro que sim! Ficarei triste ao lembrar dele, mas não posso deixar que a saudade ou tristeza tome conta de uma vida inteira. Irão haver alegrias? Claro que sim, e as maiores! Por tê-lo conhecido, saber a pessoa maravilhosa que era e poder chamar de família a família que antes era só dele.
Então, o que eu tenho a dizer hoje é que as lembranças dos dias maravilhosos que passei ao lado dele estarão sempre aqui, e são elas que importam. Quero aproveitar e pedir desculpas para a Valéria por não ter respondido a tag/selo que ela me mandou diante dos últimos acontecimentos, prometo que irei fazer isso!

Do mais, peço de coração um milhão de desculpas por tê-las abandonado e vou fazer de tudo para recompensá-las. Um milhão de beijos,
6

Notícias!

Já estavam morrendo de saudades de mim, amores? Como prometido, hoje vim contar para vocês sobre a minha viagem da semana passada.
Não conhecer meu pai biológico desde pequena me deu a sorte de ter mais outros três pais ao decorrer de minha vida. Algumas pessoas não entenderiam isso, algumas crianças cresceriam revoltadas com a vida ou sei lá com o que mais, mas não eu.
Acredito que tudo tem o momento certo para acontecer, afinal, quem sabe onde eu estaria agora se não fossem todos os acontecimentos que ocorreram desde o meu nascimento? E quer saber de uma coisa? Eu gosto do rumo que as coisas levaram. Se alguém me perguntasse o que eu mudaria na minha vida eu com certeza responderia que NADA.
Não estou dizendo que não tenho sonhos, planos ou vontades... O que estou dizendo é que é o hoje que vai me fazer conseguir, ou não, o que eu quero e almejo para mim e para minha família.
Semana passada, como tinha avisado a vocês, fui à Goiânia conhecer meu pai biológico. A experiência foi maravilhosa, eu e meu marido adoramos o acolhimento que tivemos lá. Conhecemos muitas pessoas e uma coisa eu digo: foi muito fácil considerá-los família, até mesmo os que não são realmente, viu Andréa&Cia?!
É bom descobrir coisas que não sabemos sobre nós mesmos, como alguns sentimentos que nunca sentimos antes. Não consigo explicar de uma maneira plausível, mas o que eu senti, e estou sentindo até agora, parece ser maior que eu. É como se eu tivesse conseguido completar um quebra-cabeça que por anos eu venho construindo, e quero deixar claro desde já que TODAS as peças dele foram e são extremamente importantes.
Acho que alguns planos que tínhamos mudaram, e quando coloco no plural me refiro a mim e ao meu marido. Algumas decisões a serem tomadas daqui pra frente vão ter rumos melhorados, quem sabe. Mas o que importa dizer é que algo melhor está por vir para todos nós e que a vida prossegue, com um pouco mais de alegria, afinal, agora eu sinto que sei quem sou.

1

Cabelo, cabeleira...

Ei gente linda! Já vou me desculpar antecipadamente por meu sumiço do próximo final de semana, pois sábado de manhãzinha estarei em um avião rumo à Goiânia \o/ e muito provavelmente não falarei com vocês até segunda :/ Mas calma, não precisam entrar em desespero que eu volto cheeeeeeia de novidades da viagem, eu espero, hahaha e contando como foi o encontro com o meu pai *-*
Bem, vamos ao post de hoje então?
Tenho que confessar algo pra vocês: adoro penteados que seguem a “linha” romântica de ser – sééério? hahaha Por isso vivo fuçando alguns sites super fofos pra buscar inspiração. Quer saber quais são eles? OK, aí vão meus favoritos quando se trata de cabelos:

1º Love my hairstyle: É um blog lindo de viver, escrito pela belezinha da Maya, com tutoriais de tirar o fôlego, veja só este aqui

2º A beautyful mess: Escrito pela Elsie e pela Emma, traz, além de mil e uma coisinhas lindas, tutoriais graciosos *-* Esse, por exemplo, é um dos que uso demaaaaaais quem me conhece sabe.

3º Once wed: Esse tem de tudo um pouco, mas não sei quem escreve :/ O que posso dizer é que essa trança é muito charmosinha e eu estou muito doidinha da vida pra tentar fazer!
É isso meninas, me digam se gostaram e deixem nos comentários os seus blogs favoritos pra eu dar uma olhadinha também. Mil beijinhos,
15

Meu caso com as Litas *-*

Pra vocês que ainda não sabem, Litas são umas botinhas muuuuuito lindas que eu quero/namoro há muito tempo.  No início eu nem sabia o nome delas, só via em um look lindo aqui e outro ali, o que foi tornando minha paixão cada vez maior.







Daí, quando eu descobri o nome das lindezas e fui dar uma pesquisadinha básica nos preços quase caí pra trás! Não que elas sejam caras, a maioria é, mas e daí? o problema é que não tem no Brasil! E agora, como faço?
Pensei em comprar na hora, mas fui ler alguns depoimentos de pessoas que compraram e, acreditem, todas foram taxadas na Alfândega, o que fez o custo da compra sair por mais ou menos 500 reais! OMG, QUINHENTOS REAIS!
Mas eu não desisti, afinal, sou brasileira. Encontrei um vendedor no mercado livre com pronta entrega, mas ele está cobrando quase uns duzentinhos pela belezinha... já vi que por enquanto eu tenho que sobreviver sem ela :/
A boa notícia é que meu aniversário está quase aí, se alguém quiser me presentear com essas gracinhas pode ficar à vontade, ok? Beijinhos, seus lindos.